quarta-feira, 7 de janeiro de 2015

Reflexão: EM BUSCA DA FELICIDADE

O filme "A Procura da Felicidade", título original "título original :The Pursuit of Happyness, gênero Drama,
retrata a vida de Chris Gardner (Will Smith) que é um pai de família que enfrenta sérios problemas financeiros. Apesar de todas as tentativas em manter a família unida, Linda (Thandie Newton), sua esposa, decide partir. Chris agora é pai solteiro e precisa cuidar de Christopher (Jaden Smith), seu filho de apenas 5 anos. Ele tenta usar sua habilidade como vendedor para conseguir um emprego melhor, que lhe dê um salário mais digno. Chris consegue uma vaga de estagiário numa importante corretora de ações, mas não recebe salário pelos serviços prestados. Sua esperança é que, ao fim do programa de estágio, ele seja contratado e assim tenha um futuro promissor na empresa. Porém seus problemas financeiros não podem esperar que isto aconteça, o que faz com que sejam despejados. Chris e Christopher passam a dormir em abrigos, estações de trem, banheiros e onde quer que consigam um refúgio à noite, mantendo a esperança de que dias melhores virão.

O que é 'felicidade' para a  Filosofia?

Este filme pode nos levar a alguns pensamentos e sentimentos sobre o que é a felicidade e se podemos ou não ser felizes. Na história da Filosofia encontramos diversas respostas (ou tentativas de resposta) para esta questão.
Sabemos o que é a felicidade? Por que quando alcançamos o que buscávamos para ser felizes, aquilo que conseguimos nos parece insuficiente?
Onde se situa a felicidade? Nas satisfações mentais? Nos sentimentos? Na tranquilidade psicológica? No conhecimento? Nas convicções espirituais? Que parte de nós mesmos é a morada da felicidade?
O que nos motiva na vida? Sabemos conquistar, por nós mesmos, motivações realmente validas para viver?
Através do livro Ética a Nicômaco, o Filosofo Aristóteles desenvolve importantes pontos de reflexão, sobre esse tema de interesse universal.


O conceito de Felicidade nasceu na Grécia Antiga: para Tales era feliz quem tem corpo são e forte, boa sorte e alma bem formada. Para Demócrito a felicidade era a medida do prazer e a proporção da vida (evitando-se os excessos). Já para Aristipo somente o prazer é bem, porque é algo desejado por si mesmo. A Felicidade seria a soma de todos os prazeres particulares (passados e futuros). Mas para Platão não era assim, a felicidade não está no prazer, mas sim na virtude. Os felizes só são felizes porque possuem a justiça e a temperança; os infelizes são infelizes porque possuem a maldade. Todos os conceitos de liberdade até aqui dizem respeito a situação do homem no mundo. Mas Aristóteles amplia o conceito de Felicidade definindo-a como certa atividade da alma realizada em conformidade com a virtude. Assim as pessoas podem possuir três tipos de bens: os exteriores, os do corpo e os da alma. Os bens exteriores cumprem uma função utilitária de instrumentos, além do qual se tornam prejudiciais a quem os possui e por isso tornam-se inúteis. Os bens espirituais ao contrário quanto mais abundantes mais úteis. A Ética pós-aristotélica ocupou-se exclusivamente da Felicidade do sábio. O sábio é aquele que acha a Felicidade em si mesmo.

Assista o trailer do filme A PROCURA DA FELICIDADE
http://www.youtube.com/watch?v=6yc069E1gf




Nenhum comentário:

Postar um comentário